História

Marcação é um município brasileiro do estado da Paraíba, localizado na microrregião do Litoral Norte. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no ano de 2010 sua população era estimada em 7.609 habitantes, a maioria indígenas do povo Potiguara. Possui uma área de 123 km².

História da cidade de Marcação

Foi um dos primeiros núcleos civilizados do território paraibano. Os primórdios de sua história datam do século XVII.

Marcação, conforme relatos extraídos dos anais da História da Paraíba, teve origem em terras potiguaras na qual está situada, pois, conforme o Alvará de El rey de Portugal, datado do ano de 1700, essas terras foram outorgadas em favor dos potiguaras da Paraíba.

A visita de D. Pedro II, em 24 de dezembro de 1859, ao Município de Mamanguape, PB, efetivou a referida doação, ao receber uma comitiva de índios potiguaras, originários das Sesmarias de São Miguel de Baía da Traição e Monte Mor ( na época Mamanguape), originando o nome Demarcação, referente a divisão destas terras indígenas , e mais tarde para Marcação.

O povoado teve início e cresceu nas terras do Engenho Preguiça. Seu desenvolvimento histórico deu-se com a fábrica de tecidos de propriedade dos irmãos alemães Lundgren (Artur, Frederico, Alberto). Em torno dessa fábrica ergueu-se a cidade de Rio Tinto que se constituiu em um dos mais significantes núcleos populacionais de todo o Estado.

Gentílico: marcaçãoense

Formação Administrativa

Distrito criado com denominação de Marcação, pela Lei Estadual n º 3307, 30-04-1965, subordinado ao Município de Rio Tinto.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1968, o distrito figura no Município de Rio Tinto. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 17-1-1991.

Elevado à categoria de município com a denominação de Marcação, pela Lei Estadual nº 5913, de 29-04-1994, desmembrado de Rio Tinto. Sede no antigo distrito de Marcação. Constituído de 2 distritos: Marcação e Camurupim, ambos desmembrados de Rio Tinto. Instalado em 01-01-1997.

Em divisão territorial datada de 15-VII-1999, o município é constituído de 2 distritos: Marcação e Camurupim.

Divisão territorial

O município de Marcação possui, além do distrito sede, o distrito de Camurupim e 15 aldeias indígenas do povo Potiguara, distribuídas por todo o seu território. As aldeias são as seguintes: Brejinho, Camurupim, Tramataia, Jacaré de Cezar, Jacaré de São Domingos, Estiva Velha, Grupiúna, Caieira, Lagoa Grande, Ybykuara, Val, Carneira, Os Cândido, Coqueirinho e Três Rios.

Localização

O município está localizado a 66 km da Capital João Pessoa, na Microrregião do Litoral Norte. Possui uma superfície aproximada de 123 km², representando 0,2177 do percentual da área do Estado da Paraíba, 0,0079 da microrregião e apenas 0,0014 de todo território brasileiro. Acha-se situado entre as coordenadas geográficas de 06º 46’12” de latitude sul e 35º 00′ 48″ de latitude oeste de Greenwich. Limita-se ao Norte com os municípios de Baía da Traição Rio Tinto, ao Sul e oeste com o município de Rio Tinto e a Leste com o Oceano Atlântico. Está inserido nas folhas da SUDENE de Cabedelo e Guarabira na escala de 1:100.000.

Geologia

O Município, por está localizado no litoral tem seus terrenos mais recentes, menos resistente, sedimentares, datados das eras Mesozóica e Cenozóica. Destacam-se os minerais não-metálicos.

Relevo

Apresenta relevo bem diferenciado, destacando-se duas unidades geomorfológicas distintas: Planície costeira, onde se encontram os mangues e as planícies aluviais embutidas nos tabuleiros, denominadas de várzeas. Tabuleiros, que são os baixos planaltos sedimentares costeiros. Seu solo apresenta-se distribuído em três unidades, a saber: areias quartzosas marinhas distróficas (dunas), associação de areias quartzosas distróficas e podzol hidromórfico e solos indiscriminados de mangues.

Clima

O município possui um clima quente e úmido com chuvas de outono e inverno, de Kóppen, onde a temperatura média anual oscila em torno de 29°C, e a umidade relativa do ar é de 80%. As precipitações pluviométricas variam em torno de 1500 a 1700 mm.

Hidrografia

A área abrangida pelo município é banhada pela bacia hidrográfica do rio Mamanguape e seus afluentes, tendo como principal o rio Mamanguape e o rios Grupiúna e Jacaré.

Vegetação

Marcação apresenta quatro tipos de vegetação nativa de acordo com a vocação ecológica do compartimento: Vegetação Pioneira, Campos e Matas de Restingas, Manguezais e Mata Úmida. Na vegetação pioneira destaca-se as espécies como salsa de praia e o bredo de praia, o pinheiro de praia e o capim gengibre.
Nos campos e Matas de restingas destacam-se espécies de vegetação arbustiva entre as quais o murici de praia, a paquevira, os cajueiros, as mangabas e as aroeiras de praias.
Nos Manguezais encontra-se essa vegetação localizada nos estuários e expandem-se para todo o interior da planície, constituindo uma formação florestal perenifólio, com alto teor de matéria orgânica em decomposição, na sua vegetação arbórea ou arbustiva adaptadas a solos salinos, instáveis e pantanosos. entre as espécies destacam-se o mangue vermelho, o mangue de botão e o mangue branco.
Mata Úmida este compartimento tem sua formação representada pela Mata Atlântica, onde destaca-se as espécies como o Pau-d’arco amarelo, o louro, etc.

Meio ambiente

O meio ambiente é realçado pela presença dos ecossistemas costeiros que, por si só, criam as belezas cênicas, privilegiado a formação dos recursos faunísticos e florísticos, nesta região do Litoral Norte. No município estão inseridas duas unidades de conservação, representadas pela Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape (APA) e Área de Relevante Interesse Ecológico dos Manguezais do Rio Mamanguape (ARIE). Felizmente o município é dotado de importantes ecossistema costeiros, tais como: Manguezais, Cordões de dunas, Arrecifes, Falésias e Mata Atlântica; além dos tópicos acima citados, a grande vantagem que o município tem nos seus 5 km de extensão de litoral, o mesmo é protegido por uma extensa linha de arrecifes de corais, formando uma ambiente de água rosas e tranquilas.